Avançar para o conteúdo principal

Mãe, pai, não quero ser aquilo que vocês idealizaram!

Habitualmente diz-se que os pais veem nos filhos, uma maneira de atingirem as suas aspirações.
E se em alguns casos estas aspirações até são saudáveis, noutros a situação chega mesmo a ser complicada para o jovem.
fonte
Na família tenho um caso desses. Sabem como é um pai frustrado por não ter ido para medicina, exige durante quase toda a adolescência que o filho siga carreira que ele não conseguiu atingir.
Apesar de usualmente estes serem os casos mais flagrantes, existem outros que geram pressão na hora de escolher de uma carreira para o futuro.
Independentemente do gosto e do prazer que sentimos a trabalhar a verdade é que muitas vezes nunca fazemos aquilo que os mais velhos aspiraram para nós.
Os exemplos mais normais e que surgem mais subtilmente são a negação (onde os pais se negam a aceitar  e a dizer a outras pessoas aquilo que fazemos), e o facto de tentarem encontrar outro emprego para nós.
A diminuição daquilo que é feito é um dos fatores mais importantes e devido à falta de atenção, e apoio muita gente deixa de fazer aquilo que quer e gosta pois sente-se sozinho contra a maré.

O que se deve fazer nessas situações?

O ideal é sempre sentar e conversar. Explicar as coisas e mostrar os pontos de vistas sem esquecer que os outros também podem ser válidos. Muitas vezes com uma boa conversa, com as coisas esmiuçadas a família entende e as coisas ficam por ali.
Nos casos mais extremos, existem mesmo famílias que se separam pelo facto de os filhos optarem por caminhos diferentes numa industria que não seja aceite pelos pais ou que lhes cause constrangimento. Em alguns casos (e conheço alguns), os jovens acabam mesmo por se enfiar num emprego qualquer (que na maioria das vezes não gostam) só para conseguirem alguma independência.
Acontece ainda que existem muitos profissionais formados que são péssimos naquilo que fazem por causa da falta de paixão que dedicam ao trabalho que fazem. O facto de ser um aluno genial com notas de 20 não quer dizer que ele tenha que seguir medicina se ele não gostar disso.

Comentários

  1. Acho que os pais nao se devem intrometer no que os filhos devem ou nao ser. Isso traz maus profissionais.
    Bjxxxx

    ResponderEliminar
  2. Os pais devem orientar, mas não escolher o que os filhos devem ou não seguir...


    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Há de algumas variedades, querida. Portanto é uma questão de escolheres a que mais gostas :)

    Concordo plenamente com o que já foi comentado. Os pais devem, de certo modo, orientar os filhos nas suas escolhas mas não devem impingi-las. Conheço casos que correram muito mal porque amigas minhas seguiram cursos por causa dos pais e hoje em dia não vivem felizes.

    NEW FASHION POST | Essential for a Festival.
    InstagramFacebook Oficial PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente também conheço alguns casos desses!

      Eliminar
  4. Felizmente os meus pais nunca tentaram impor uma escolha em relação ao meu percurso académico/profissional. :) Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  5. Tenho uma "mãe" amiga que adorava que a filha fosse médica.. A filha nunca o quis ser, e a pressão foi tanta que se perdeu a relação entre mãe e filha!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora imagina que a rapariga seguia medicina como a mãe queria, ela sem dúvida que ia ser uma má profissional...

      Eliminar
  6. Concordo com tudo o que foi dito, considero que o papel dos pais é simplesmente o de orientação e apoio na escolha dos filhos, acho que isso é deixar crescer e aprender. Mesmo que mais tarde os filhos se arrependam da escolha tomada, a decisão foi deles e assim crescem enquanto indivíduos.
    Beijinhos ...
    Guloso qb

    ResponderEliminar
  7. Conheço um caso desses mas só daqui a uns anos vou ver o resultado desse disparate porque a criança ainda é pequena.
    Há pais muito autoritários e acham que sabem o que é melhor para os filhos. O problema é que nem se dão ao trabalho de perguntar o que o filho quer e impõem a sua vontade a bem ou a mal. Claro que os pais querem sempre o melhor para os filhos mas é preciso saber respeitar as escolhas de cada um.
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Acho que todos nós conhecemos casos assim!
    Infelizmente!
    Acho que o filho é que sabe aquilo que gosta e quer fazer durante uma vida, seja medicina, seja economia, seja ser canalizador!
    O trabalho dos pais é dar todo o apoio para que se consiga atingir os objectivos e todo o suporte necessário!
    Uma das pessoas que conhecia nesse caso entrou em medicina e não gostou, no ano a seguir mudou de curso!
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  9. Os pais devem dar conselhos, orientar, explicar as coisas aos seus progenitores, mas em última instância compete sempre a estes de escolher e decidir o que é o melhor para eles. Os pais não deveriam ter expectativas elevadas em relação aos filhos porque os filhos também são gente, e não brinquedos ou marionetas que podem ser controlados. O certo é que, para qualquer pessoa, um(a) filho(a) é a sua continuação na Terra quando ela daqui partir.

    ResponderEliminar
  10. Com certeza os pais devem orientar e apoiar, mas nunca decidir pelos filhos. Tenho amigos próximos que escolheram a faculdade da filha e ela odeia o curso, mas faz pelos pais, uma tristeza.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  11. Tenho uma colega que tira boas notas, e quer seguir Informática, mas a mãe dela é contra, quer que ela vá para medicina, e como queria uma família de médicos, OBRIGOU o irmão mais velho dela a ir para medicina e, segundo consta, ele não gosta do curso.
    Ela anda sempre stressada, mas à umas semanas fez os 18 anos, e, não sei, parece que a ideia de,legalmente, poder sair de casa e ser independente a fez "bater com o pé" com a mãe.
    Antes, perguntavam-lhe o que ele queria seguir, e ela dizia baixinho "medicina...", hoje perguntam-lhe a mesma coisa e ela responde com convicção "Informática".
    Em Setembro veremos se ela vai ser infeliz como o irmão, ou feliz, com aquilo que quer.
    É esperar para ver.

    http://semprelaurinha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. Eu acho muito sinceramente que os pais devem aconselhar os filhos mas não lhes impor nenhuma vontade. Tal como os pais, os filhos são pessoas e têm vontades e sonhos próprios.
    beijinhos
    http://direitoporlinhastortas-id.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  13. Por acaso sempre tive imensa sorte, os meus pais sempre me incentivaram e apoiaram para fazer o que eu quisesse com a minha vida e nunca tentaram "invadir" o meu espaço e acho que essa é a atitude mais correta que devem ter :)
    Adorei o blog, já sigo :)
    http://bloguedacatia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  14. Eu acho que os pais devem apoiar, mas nunca decidir pelos filhos. Devem saber ouvir a aconselhar, mas só isso.

    ResponderEliminar
  15. É bom conversar e chegar a um acordo pois fazer o que não se gosta é um martírio
    Beijinhos
    Clara Dinis
    docinhomorango7.blogspot.com

    ResponderEliminar
  16. Casos desses não faltam...a verdade é que muitos querem obrigar os filhos a seguir determinado curso e outros ficam tristes e desiludidos por os filhos não quererem tirar um curso superiror.
    Tenho um filho e gostava que ele um dia tirasse um curso mas se ele assim não entender, vou respeitar porque o que eu realmente quero, é que ele seja um bom menino, responsável e que seja imensamente feliz.
    Beijinhos grandes.

    misscokette.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  17. Concordo com o que foi dito acima, os pais devem orientar os filhos e nao decidir por eles :)
    Bom tema ;)
    Bjinhosss

    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
  18. Cá em casa a coisa funcionou assim: «Trolha ou investigador, mas sê o melhor, porque gostas e te faz feliz».
    Trabalhei e esforcei-me para dar aos meus filhos a possibilidade de tirarem a formação académica que escolheram, de livre vontade e sem qualquer influência nossa. Só lamento que depois de tanto esforço, quer da parte dos Pais e da parte deles principalmente, se vejam na 'obrigação' de emigrarem, se querem ser felizes e realizados pessoal e profissionalmente.
    Tudo de bom!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  19. Adorei a tua abordagem sobre o tema...
    Se se puder ser bom naquilo que se gosta... será mesmo o ideal... e realmente há pais... que levam as suas frustrações... muito a sério... frustando também a vida dos seus filhos...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

TAG| 100 perguntas que ninguém pergunta

Sabendo como eu gosto de responder a TAGs a Matilde do blog "O Cantinho da Tily", nomeou-me para este desafio bem simples e divertido. As regras são simples, responder às 100 perguntas, e nomear quem quisermos. Vamos a isso? 1. Você dorme com as portas do seu armário aberta ou fechada? Prefiro fechada por uma questão de organização, mas não me faz diferença. 2. Você leva embora os shampoos e condicionadores dos hotéis? Sim!!! 3. Você dorme com seu edredão dobrado para dentro ou apra fora? Tanto faz! 4. Você já roubou uma placa de rua? não, mas confesso que gostava de ter uma! 5. Você gosta de usar post-it? Adoro! 6. Você corta cupões, mas depois nunca usa? Sim! 7. Você prefere ser atacado por um urso ou um enxame de abelhas? Venha o diabo e escolha! 8. Você tem sardas? Nop. 9. Você sempre sorri para fotos? Quase sempre! 10. Qual é a sua maior neura? Ui se as coisas não levarem o rumo que eu quero fico do pior! 11. Você já contou seus passos enquanto você andava? Sim. 12. Você já fez x…

A menina bonita

Decerto que lhe conhecem a imagem, a menina de nove anos, chama-se Kristina Pimenova, e é já considerada uma das raparigas mais belas dos últimos tempos.
A criança, é modelo para marcas como Armani, Vougue e Dolce & Gabanna, e desde os 3 anos que assina contratos milionários. Kristina Pimenova, nasceu em Moscovo, e está inscrita em agências de modelos desde tenra idade. Quem patrocinou tudo isto?! A sua mãe, Glikeriya Pimenova, também uma ex-modelo, tem levado a filha à ascensão, porém, tem também sido criticada por isso. Além de muita gente a criticar por não permitir que Kristina tenha a vida de uma criança normal, a mãe da mesma é ainda mais criticada por ter permitido que recentemente a filha pousasse maquilhada e vestida de forma pouco própria para a sua idade. Glikeriya Pimenova, gere os contratos milionários da filha, bem como as redes sociais da mesma que já tem mais de 300 mil seguidores. Porém não é o numero de seguidores que vai determinar a infância que muitos dizem p…

As férias acabaram... Como é que ficaram os animais abandonados?

Existe uma dura realidade que após as férias de verão fica esquecida. Se no inicio do verão as campanhas de sensibilização são muitas (e mesmo assim não são suficientes), a verdade é que depois dos dias dourados de verão, já ninguém pergunta o que aconteceu ao cão idoso que abandonaram às portas de uma instituição, ou então como está aquele cachorrinho que deixaram na beira da estrada.
A minha pergunta para vocês é: Afinal o abandono está a diminuir?
E infelizmente a resposta é não! No final do verão contactei várias instituições que recolhem animais e as respostas são sempre iguais: Não! Não diminuiu.
Para vos ilustrar esta realidade, pedi a várias instituições dados sobre o abandono de animais durante os meses de verão, porém só a Associação Midas no Porto é que se ofereceu para disponibilizar dados concretos:

2015 - 53 animais acolhidos pela instituição.
2016 - 107 animais acolhidos pela instituição. 
2017 - 71 animais acolhidos pela instituição.

Porém antes de começarem a bater palma…