Avançar para o conteúdo principal

Violência doméstica: até que ponto é verdade quando o dizem?!

Uma das coisas que mais me confusão faz quando vou à aldeia, é a mentalidade dos meus tios, e em alguns casos dos meus primos. Não entendo como é que é possível que em pleno século XXI, as mulheres ainda serem submissas aos homens. 
fonte
Queixam-se que os maridos lhes batem, mas não fazerem nada por isso, e, mesmo assim, depois disso, continuam a trata-los como príncipes, fazendo tudo como eles querem e desejam. Atenção, não estou a criticar a violência doméstica, porque ela existe e é grave, mas se uma mulher se queixa a toda a gente que o marido é violento, não seria de esperar que ela saísse de casa ou fosse à polícia? 
Afinal de contas se não é para pedir ajuda por que motivo se queixa ela?! Isso tudo não faz dela cúmplice do crime que é a violência doméstica?! Às vezes pergunto-me se o que dizem é verdade… Como pode uma pessoa ter a coragem de contar a toda a gente que é vitima, e não fazer nada por isso?! Pior como é possível que ninguém, incluindo os próprios filhos, não façam nada?! Cá para mim, acho que é tudo um bonito espetáculo, para que as pessoas tenham pena, não sei ainda o que se ganha com isso, mas aquelas mentalidades são capazes de tudo…

Comentários

  1. Quanto a mim, tolerância 0 para a violência doméstica!
    Denunciar sempre, sempre!
    bj

    ResponderEliminar
  2. Eu "compreendia" que não contassem por terem receio de sofrer represálias, e viver na aldeia é pior nessas questões, mas se têm coragem de contar é porque estão cientes do que se passa e seria lógico que isso fosse um pedido de ajuda. Felizmente, nunca passei por nada do género, por isso não sei verdadeiramente o que passam, o medo que se instala e que parece toldar todas as ações, mas ficar em silêncio é compactuar com o que se passa

    Ouvir música muda logo a nossa disposição, é tão bom!

    ResponderEliminar
  3. Também não consigo entender, vivo numa aldeia e felizmente não tenho essa mentalidade fechada, mas as pessoas mais antigas são mesmo assim.

    ResponderEliminar
  4. Nos meios a que te referes essa situação é encarada como "normal", por isso é que falam dela com "normalidade" e não pensam em ir à polícia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tão estranho acharem isso normal...

      Eliminar
  5. Nas aldeias existe uma tendência para as pessoas apresentarem uma mentalidade fechada. É dada muita importância aos costumes, religião, etc. Eu vivo numa vila e uma tia minha separou-se do marido por violência doméstica, houve mesmo uma tentativa de homicídio e foi quando eles se separaram e até hoje ela é inferiorizada no seio da própria família por se ter separado, por não ter cumprido com os votos do casamento, por estragar a imagem da família (que é relativamente conhecida), por ter casado cedo e não saber escolher o marido, e às vezes esse medo das possíveis represálias por parte da comunidade é maior. Assim pode ter errado com o casamento, mas ao menos é uma mulher de palavra ou wtv. (atenção que eu e a minha família somos completamente diferentes. Não concordo com a maneira como a condenam obviamente).
    Há também aqueles casos em que as mulheres ficam ligadas ao agressor. A mim isto causava-me confusão, mas quando comecei a ler sobre stress pós-traumático em raptos,por exemplo, em que as vitimas ficavam ligadas ao agressor, fez-me perceber que de facto as situações são bastante semelhantes.
    O facto de falarem abertamente sobre o assunto pode ser como a suricate disse, já ser tão usua que é encarado com normalidade, ou então, é uma forma de lidarem com o sofrimento, uma forma de desabafar. Além de que como se trata de um meio pequeno, é provável que seja inevitável escondê-lo, principalmente dos vizinhos.
    Porque sinceramente não vejo motivo pelo qual uma pessoa iria inventar estas histórias. Não gosto de partir desse pressuposto, acho que é o pior que pode acontecer a uma vítima, porque imagina que ela de facto não está a mentir, já imaginaste como se vai sentir se duvidarem dela? (falo por experiência própria)
    R: Obrigado pelo apoio :) Sim concordo, este é um treino para o baile de finalistas da universidade!

    ResponderEliminar
  6. resp: soube-me pela vida, estava a precisar :)
    desculpa a demora a responder :s

    ResponderEliminar
  7. É uma situação muito delicada mesmo, acho que por medo muitas mulheres não contam esse absurdo que acontece e muitos que sabem fingem que não sabem, outro absurdo.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Não acredito que seja por isso. Existe mesmo violência doméstica nos meios rurais, mas infelizmente ainda é aceite como uma coisa normal. A mulher é para tratar da casa e ser bombo da festa, quando o marido está mal disposto.
    Porque dizem a toda a gente e continuam a viver com eles?
    É difícil mudar as mentalidades e nessas terrinhas é mais condenada a mulher que sai de casa, do que o marido que lhe dá na cabeça quando lhe apetece.
    Vê o que se passou com aquele gajo que andou a monte mais de um mês. Alguém acredita que tenha sobrevivido sem ajudas? Basta ver a reação dos amigos, que o achavam uma boa pessoa. Se dava nos cornos à mulher, isso era lá com eles. Nessas aldeias, entre marido e mulher ninguém gosta de meter a colher...

    ResponderEliminar
  9. Ridiculo :s


    *Beijinhos*
    Caty<3
    http://myfairytale4.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  10. Obrigada pelo teu comentário.
    Realmente também não entendo isso. Parece aquilo do "quanto mais me bates, mais eu gosto de ti".

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois... Mas acho que é mais uma versão doentia dessa mesma frase.

      Eliminar
  11. É incrível a quantidade de mulheres machistas que existem ainda nos nossos dias... :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É caso para se dizer "mudam-se os tempos mas NÃO se mudam as vontades.

      Eliminar
  12. As mentalidades são terríveis...

    ResponderEliminar
  13. As mentalidades são terríveis...

    ResponderEliminar
  14. Esses casos não acontecem apenas nos ambientes rurais. As vítimas têm medo de mais represálias se se queixarem às entidades policiais; a polícia nem sempre está equipada para tratar desses casos; as vítimas têm a tendência em pensar que as coisas vão mudar, que esta será a última vez; a falta de apoio social. Há que fazer algo; a violência deve acabar; as medidas punitivas deverão ser mais pesadas para os agressores. Um problema que existem em todas as classes sociais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com isso só não entendo é porque motivo contam a toda a gente menos às autoridades.

      Eliminar
  15. As mentalidades ainda estão muito fechadas em certos pontos, mas a situação é ridícula :)
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  16. Nunca se sabe o que vai na cabeça das mulheres que sofrem de violência doméstica. Há muitas que fazem queixa e depois retiram-na.. a polícia quanto a isso não pode fazer nada, e quanto aquelas que não fazem nunca se sabe a violência psicológica que por lá andará. Agora as que se queixam a toda a gente e não fazem denúncia aí já é mesmo um caso de ridicularidade!

    ResponderEliminar
  17. Obrigada pelo comentário no blog, passei por cá para conhecer o teu, e a questão
    em pauta é muito complicada, nem sei que pensar, já sou fã do blog, beijo

    ResponderEliminar
  18. Como a entendo...agora que estou na aldeia...dou comigo a "dar conselhos" a muita mulher!!!

    ResponderEliminar
  19. Oi Isy, passei p/agradecer a visitinha ao meu blog e já me encantei com o teu.
    Esse tema é mesmo um assunto difícil de se entender. Acho que cada caso é um caso, cada mulher tem uma desculpa diferente, mas a verdade, é que elas só pensam nelas mesmas, já que essa é uma situação que afeta toda a família, inclusive deixando no futuro, reflexos bem negativos nos filhos.
    Já fiquei te seguindo e pretendo voltar...
    Se voltar quiser voltar a me visitar, vou adorar...
    Bjsssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois... a verdade é que muitas vezes é a família que sofre.

      Eliminar
  20. Nos ambientes rurais principalmente, eles reagem a esse assunto de uma forma quase natural como se fosse normal uma mulher levar porrada do marido. É algo ligado a mentalidades, enfim. E também pode muitas vezes influenciar a situação económica onde a vitima não tem meios para se afastar imediatamente do marido etc.. Sem dúvida que esta sociedade precisa de uma grande reviravolta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora aí está, a palavra chave é mesmo reviravolta!

      Eliminar
  21. Olá Isy
    Obrigada pela visita,estou te seguindo.
    Uma pena que nos dias de hoje ainda aconteça esse tipo de situação.Mulheres,homens,idosos crianças todos merecem respeito e dignidade.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo plenamente com as tua palavras!

      Eliminar
  22. São coisas que eu nunca vou compreender também, enfim.

    ResponderEliminar
  23. Apesar de sempre ter vivido em Lisboa, também nasci numa aldeia e sei bem como são os meios pequenos... mas das duas uma, ou a pessoa diz isso para chamar a atenção e na realidade é tudo uma invenção, ou fala por desabafo mas não age por medo de represálias.

    http://inspiremewithmoments.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pois sinceramente não sei e não entendo!

      Eliminar
  24. Eu odeio violência doméstica!
    R: Ficaremos como é óbvio :)

    ResponderEliminar
  25. Não agem ou porque dependem economicamente, medo de represálias, não sei mais, mas não vejo qual é a razão de ou pretexto para inventarem?!

    Beijinhos e sigo te ;)

    ResponderEliminar
  26. Olha que não é só nas aldeias que isso acontece. E razões há muitas. Cada casa é um Mundo e muito boa gente vive de aparências. Muitas mulheres continuam dependentes dos maridos, são eles que trabalham são eles que trazem o pão para a mesa, dependem deles até para comprar uns chinelos, é triste mas ainda é assim. E além da violência fisica há a psicológica há a pressão que fazem com os filhos, meu Deus há tantos motivos que para quem está de fora não faz sentido mas para elas são obstáculos.

    ResponderEliminar
  27. A ignorância faz um mal enorme à humanidade!

    ResponderEliminar
  28. Estranhas e perigosas semelhanças à Síndrome de Estocolmo.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

TAG| 100 perguntas que ninguém pergunta

Sabendo como eu gosto de responder a TAGs a Matilde do blog "O Cantinho da Tily", nomeou-me para este desafio bem simples e divertido. As regras são simples, responder às 100 perguntas, e nomear quem quisermos. Vamos a isso? 1. Você dorme com as portas do seu armário aberta ou fechada? Prefiro fechada por uma questão de organização, mas não me faz diferença. 2. Você leva embora os shampoos e condicionadores dos hotéis? Sim!!! 3. Você dorme com seu edredão dobrado para dentro ou apra fora? Tanto faz! 4. Você já roubou uma placa de rua? não, mas confesso que gostava de ter uma! 5. Você gosta de usar post-it? Adoro! 6. Você corta cupões, mas depois nunca usa? Sim! 7. Você prefere ser atacado por um urso ou um enxame de abelhas? Venha o diabo e escolha! 8. Você tem sardas? Nop. 9. Você sempre sorri para fotos? Quase sempre! 10. Qual é a sua maior neura? Ui se as coisas não levarem o rumo que eu quero fico do pior! 11. Você já contou seus passos enquanto você andava? Sim. 12. Você já fez x…

A menina bonita

Decerto que lhe conhecem a imagem, a menina de nove anos, chama-se Kristina Pimenova, e é já considerada uma das raparigas mais belas dos últimos tempos.
A criança, é modelo para marcas como Armani, Vougue e Dolce & Gabanna, e desde os 3 anos que assina contratos milionários. Kristina Pimenova, nasceu em Moscovo, e está inscrita em agências de modelos desde tenra idade. Quem patrocinou tudo isto?! A sua mãe, Glikeriya Pimenova, também uma ex-modelo, tem levado a filha à ascensão, porém, tem também sido criticada por isso. Além de muita gente a criticar por não permitir que Kristina tenha a vida de uma criança normal, a mãe da mesma é ainda mais criticada por ter permitido que recentemente a filha pousasse maquilhada e vestida de forma pouco própria para a sua idade. Glikeriya Pimenova, gere os contratos milionários da filha, bem como as redes sociais da mesma que já tem mais de 300 mil seguidores. Porém não é o numero de seguidores que vai determinar a infância que muitos dizem p…

Giveaway | Dourado é a melhor cor

O blog e a sbnails voltaram a firmar uma parceria e desta vez, foi para mimar os meus leitores. Agora que o verão está no auge, todos nós procuramos ter uma pele dourada e fresca, por isso este sorteio dá-vos a oportunidade de ganharem um Óleo Bronzeador Urucun Rosa Mosqueta:

Prémio:
O óleo de Rosa Mosqueta ajuda a acelerar a pigmentação da pele de forma natural. Proporciona à pele um bronzeado intenso, duradouro e com tom dourado.
Perfume Tropical floral com aroma da rosa mosqueta. Este é mais um dos produtos da linha body Screts, enriquecido com minerais que protegem a sua pele do ressecamento e deixando-as mais hidratadas.
Sua fórmula contém agentes hidratantes, óleo de grainha de uva, óleo de soja, pró vitamina A, vitamina E, extrato de cenoura e extrato de Guaraná.

Informações Importantes:

Inicio: 14 de julho de 2017
Fim: 18 de agosto de 2017

Envios feitos apenas para Portugal continental.
Só podem participar pessoas maiores de 18 anos. Se forem menores peçam a um adulto que autorize a…